31 de outubro de 2012

A novela indigesta de Glória Perez


Sempre fui fã das novelas de Glória Perez, mas reconheço que "Salve Jorge" deixa muito a desejar. A mesmice da trama deixa-me com a impressão de está vendo um remake de "Caminhos da Índia", "América" e "O Clone", ou seja: um país estrangeiro, uma região pobre do Rio de Janeiro, um bairro da classe A. Tudo muito previsível.
Salve Jorge tem ainda como par romântico um casal sem nenhuma química, formado pelo belo ator que já vimos em Caminho da Índia (Rodrigo Lombardi) e uma novata destituída de carisma, apenas um rostinho engraçadinho e enfarento, periguete do Complexo do Alemão, sempre espremida em seus shortinhos ginecológicos, com todas as falhas comuns em atrizes sem experiência. A própria historinha de amor engendrada para os dois é forçada demais. Dá-me gastura tanta canastrice da Morena. Até o elenco é repetitivo... Arre!
Outra que me deixa em crise de tédio é Carolina Dieckman, a Jessica. Esta, mais uma vez, na pele da personagem que ela repete sempre: a mocinha vítima da maldade humana, cara de sofredora anoréxica, sorriso amarelo, metida a mal criada, sempre confundindo arte dramática com gritos, gesticulação enfática e cara fechada. Pobre Carolina, tantos anos representando mal, não aprendeu nada com as grandes estrelas com as quais contracenou. No papel de Jessica aparece magérrima, com os braços finos demais, o rosto chupado, com olheiras, as pernas tortas em formato de alicate e os seios murchos. Até a bunda sumiu. Pena, porque tem um rosto bonito. Talvez a magreza seja uma exigência do papel ou, quem sabe, devido às TVs LCD sem Full HD que dá uma aparência mais roliça, mais ou menos semelhante à da celulitosa Priscila Pires (BBB9): baixotinha, gordota e atarracada.
Ainda bem que a Jéssica vai sumir logo mais, devido às suas tentativas de fugir. Quanto à Morena chatinha, esta vai cair na malha da máfia da prostituição.
Reconheço que a denúncia ao tráfico humano é muito importante. Mas que fosse abordado em uma trama que não parecesse tanto uma mesmice tediosa, com gosto de café requentado. O que não entendi ainda é o interesse que tem o núcleo da Tunísia. Se, pelo menos, esse país fosse o local para onde as meninas são atraídas e jogadas na prostituição. Mas, não há nenhuma ligação entre os dois núcleos. Fica-me a impressão de que estou assistindo a três novelas diferentes e, ao mesmo tempo, geminadas. Gente demais, é outra trapalhada. Depois de ter acompanhado prazerosamente a maravilhosa Avenida Brasil, com atores e atrizes de peso e com uma trama tão empolgante, não dá para digerir Salve Jorge!
 
 

2 comentários :

O Autor disse...

Também reconheço o brilhante talento de Glória Perez, mas dessa vez, Salve Jorge está indigesto.

Anônimo disse...

Vc usou o figurino de Morena para diminuir a Nanda Costa como atriz... Oi??? Vc confundiu foi tudo.
Acho que a Nanda Costa está se saindo bem no papel, mas o personagem Theo é o maior purgante que eu já vi em novelas nos últimos tempos.