17 de setembro de 2014

O PT apavorado tenta implodir a vitória de Marina



Apavorados diante da perspectiva de deixar o poder, petistas adotam a tática de atacar Marina Silva a qualquer custo. O resultado é uma campanha como nunca antes se viu neste país, cuja tônica é a baixaria, a distorção de palavras e fatos, a maledicência pesada e injuriosa, bem de acordo com o figurino ditado pelo PT e seu mentor Lula.
A decisão do PT de passar o trator em Marina Silva foi tomada no dia 1º de setembro em um jantar no hotel Unique, em São Paulo, logo depois do segundo debate entre os candidatos à Presidência, no SBT. Estavam à mesa a presidente e candidata do partido, Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o marqueteiro João Santana, o ex-­ministro Franklin Martins, o ministro Aloizio Mercadante e o presidente do PT, Rui Falcão. Juntos, chegaram à constatação de que o fenômeno Marina era bem mais sustentável do que parecia a princípio. O terror pela ameaça de perderem o poder para a ex-senadora levou essa confraria delirante a decisão de desmoralizarem a candidata fenômeno, desconstruindo sua excelente imagem de política ficha limpíssima, que passou pelo PT e não se deixou contaminar pela canalhice mensaleira, pela corrupção galopante que marca e marcou os governos de Lula e Dilma.
Arrepiados de medo de perderem o poder, logo concluíram que se nada fosse feito para deter a popularidade de Marina Silva , logo ela estaria sentada na cadeira de presidente da República pelos próximos quatro anos, destruindo o plano de Lula de retornar à presidência, sucedendo Dilma nas eleições seguinte. “As pesquisas mostravam isso”, disse a VEJA um ministro do governo. “Não tínhamos alternativa a não ser partir para cima com tudo.” Ou seja, lançando mão de qualquer baixaria para derrubarem a ameaçadora rival.  Àquela altura, a candidata do PSB aparecia empatada com Dilma no primeiro turno e 10 pontos à frente no segundo. Lula resumiu o clima reinante e deu a ordem de marcha: “Precisamos reagir e reorganizar a tropa”. 
Como sempre nesses casos, com uma equipe azeitada, acostumada a trabalhar em conjunto há muitas campanhas e conhecedora dos limites éticos, ou da falta deles, não foi preciso ser muito explícito sobre o que precisava ser feito. O próprio diagnóstico do problema embutia sua solução. Marina tinha virado uma entidade sagrada, uma combinação de espírito da floresta com o espírito do capitalismo, metade Chico Mendes, metade Steve Jobs. Decidiu-se que o processo de destruição da candidatura Marina seria eufemisticamente chamado de “dessacralização”.
Logo a máquina de propaganda petista, comandada pelo veterano e medalhado publicitário João Santana, mostrou a que viera. Em menos de uma semana o resultado começou a aparecer no programa eleitoral de Dilma e nas inserções de televisão e rádio. Nunca se viu na história eleitoral deste país uma combinação tão violenta de mentiras, falsificações, manipulações, exageros e falsas acusações como a despejada pelo PT sobre Marina.
______________________
Autores: Daniel Pereira e Mariana Barros, com algumas alterações minhas.

Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no IBA, no tablet, no iPhone ou nas bancas.


Nenhum comentário :