9 de setembro de 2014

O Preconceito disfarçado dos brasileiros...


Fala-se muito em preconceito racista, leis são aprovadas para criminalizar as expressões discriminatórias e desrespeitosas contra negros, pobres, gays e deficientes. Em geral, todos os brasileiros concordam com a ideia de que é vergonhosa qualquer manifestação de racismo contra negros, ninguém tem a coragem de se declarar preconceituoso. Muitos não escancaram a sua aversão a negros, pobres e gays por receio da censura pública, por vergonha de revelarem seu lado obscuro. Muitos chegam a dizer que no Brasil não existe preconceito... Todavia, não é isto que se observa no dia a dia. Eu mesma tenho visto aqui mesmo no Face book lastimáveis demonstrações preconceituosas. Elas se manifestam sob o disfarce da piada, de charges aparentemente inocentes, que, na verdade, não passam de deboche, de achincalhe, de tentativa de ridicularizar e diminuir a pessoa alvo de tais leviandades e falta de respeito pela dignidade humana. Em tempos de campanha política, como a que estamos vivendo, o alvo preferido tem sido a candidata Marina Silva. Marina é negra, tem cabelos crespos, nasceu num seringal perdido nas matas do Acre, é pobre e de origem muito humilde, uma Silva como milhares de brasileiros sem nome brasonado. Tem, portanto, todas as características que nutrem o menosprezo dos preconceituosos, apavorados com a possibilidade de uma mulher tão insignificante (de acordo com seus valores equivocados) vir a se tornar a Presidente do Brasil, não importando o seu nível acadêmico, sua inteligência e sua competência. A reação contra que estão achando mais elegante para desconstruir a imagem da ex-senadora é postarem caricaturas medonhas identificando Marina com a imagem do ET famoso do filme O Extraterrestre. Achincalham, debocham, ridicularizam a candidata sem a menor noção de respeito pela dignidade humana, social e política da mesma. É triste testemunhar esse tipo de baixaria, de mesquinharia e perfídia. Faz-me mal esse tipo de comportamento, deixam-me cheia de vergonha alheia, decepcionada com quem tem coragem e prazer em desconstruir e rebaixar a imagem de seu semelhante. Mas, essa atitude tem nome: preconceito racista e classista. Uma infâmia injuriosa que só desmerece a quem assume esse tipo deplorável de agressividade e falta de amor ao próximo.

Os que abominam Dilma não tiveram a ideia de compará-la a um hipopótamo femea, a uma porquinha gorda... Nunca fariam isto: a candidata é branca, loura e tem um sobrenome estrangeiro bem sonoro... Brotero tem figuras parecidíssimas com Dilma, mas não ser vem, só se ela fosse negra, né mesmo? Parem para pensar e decidam se estão orgulhosos/as com o que têm feito, levados pelo racismo, pela rejeição à uma mulher de cor. E mais, assumam de vez que são preconceituosos e se orgulhem disso.

Nenhum comentário :