14 de março de 2011

Sou PRETA e a minha raça é NEGRA.


"Sim, sou PRETA e minha raça é NEGRA".  Isto disse e repetiu, reiteradamente, Jaqueline Faria, a bela e escultural deusa de ébano, no início do BBB11, do alto do orgulho que sente de sua origem afro, bem sustentada pela viga mestra de uma lúcida consciência negra. Coisa rara em um país, no qual a maioria dos negros esqueceu que são descendentes espirituais do valoroso Zumbi dos Palmares. Infelizmente, a maioria embranqueceu a alma, deixou que desbotasse a pretidão interior, despojou-se da negritude que a distingue, que deveria estar decalcada no mais profundo do seu ser, como estivera nos seus ancestrais, trazidos a ferros para ter a liberdade e a dignidade roubadas pela cobiça desalmada do branco. Branco na cor e na raça, cor que, em sua narcísea vaidade, julga ser de uma beleza ímpar. Raça equivocadamente julgada superior. 

O racismo, no Brasil, é tão forte o quanto é camuflado. Forte, camuflado e subreptício, para se lhe impôr limites, foi preciso uma lei para obrigar a cambada braquela, inclusive a da Globo, a incluir “n” por cento de negros/as em seus programas, novelas, etc. Graças a existência de tal lei, Jaqueline, Janaína e Lucival foram admitidos no BBB11.

Jamais uma pessoa negra conseguiu sair vencedor do programa. A que chegou mais perto do prêmio milionário foi Vanessa, a bela modelo do BBB1, classificada no segundo lugar. O racismo enrustido dos participantes se encarrega de mandar para o paredão os negros, e o público se encarrega de defenestrá-los. Na blogosfera, já testemunhei toda sorte de injúrias contra participantes negros, em alguns casos raiando a crueldade e o desrespeito mais profundo à dignidade da pessoa, como ocorreu com Iran Gomes (BBB6), com Aline (BBB5) e Solange (BBB4). 

O próprio Bial disfarça mal a sua má vontade com afro-descendentes. Sua deferência e predileção recai sempre nas periquetes, quengas e pervertidas que selecionam, com amor e carinho, em todas as edições. Se estas jogam confeti na vaidade dele. Se o fazem se sentir um garanhão... O cara entra em delírios.  Jaque não lambe as botas do velhote babão...

No BBB11, uma onda violenta de animosidade e ojeriza foi despejada contra os três negros selecionados, especialmente contra Janaína. Bial se mostrava todo dengoso com Lucival, mas tratava-o com ironia, buscando mostrá-lo como a língua de trapo da edição, o que vivia de fofocas, obscurecendo, assim, quaisquer predicados que o jornalista tivesse. Triste e lastimável atitude, vinda de um homem civilizado. Instruído e inteligente, com idade suficiente para ter mais compostura.

Janaína foi o alvo de uma obsessão persecutória de blogueiros, comentaristas, alimentadas pela notória antipatia que Bial sentia pela moreninha alto astral, lindinha, bom caráter e, em termos de conduta e decoro, muito superior  à maioria das mulheres levianas, pervertidas, vulgares e promíscuas da casa mais depravada do Brasil. 

Eliminados Janaína e Lucival, o alvo da artilharia pesada passou a ser a bela Jaqueline. Acusam-na dos maiores absurdos, dentre eles, de aliar-se ao time dos cuecas, como se cada pessoa no reality não pudesse ter a liberdade de escolher com quem faz alianças, de gostar de A ou de B, de votar em quem tem vontade e de indicar ao paredão quem acha que deve ir. Qual é? Uma pessoa negra não pode fazer tudo isto que as brancas fazem? Fala sério! Pensar assim, é querer impor à Jaqueline uma filosofia de senzala. 

Acusam-na de ter se tornado submissa a MauMau. Não vi as coisas sob este prisma. Não vi submissão nem subserviência na relação entre Jaque e Maurício. Talvez ela se sinta bem na companhia dos rapazes, por motivos semelhantes aos que fazia Adriana preferir estar com eles. Afinal, é tortura chinesa aturar as conversas boçais  de Maria,  Diana e Paula sobre o mesmo tema: Baixarias sobre sexo. 

Se Jaqueline tem reservas com Diana, não é por implicância, mas sim por causa das grosserias que tem ouvido da loura azeda, mal humorada e metida a crítica. Uma das “delicadezas” da “viúva Porcina” para com Jaqueline foi dizer para esta que “a produção só lhe mandava roupas de puta” (para as festas). Pena que Jaqueline não tenha feito um medonho barraco, fazendo a arrogante engolir o desaforo e a falta de respeito.  Inveja é o mal de Diana, uma mulher masculinizada, sem elegância, sem porte, com aquela andar de marreca fora da água... Charme e carisma zero!

Na edição da quinta-feira, foi a vez de Bial passar das contas em suas pseudo-brincadeirinhas dirigidas à Jaqueline, magoando-a e humilhando-a em rede nacional, como é seu costume fazer com quem não simpatiza. 

Jaqueline desabafou sua decepção com Pedro Bial, na tarde desta sexta-feira (4), dizendo que se ofendeu com uma observação feita pelo apresentador no programa da quinta-feira (3). Bial, se fazendo de engraçadinho, quis saber mais sobre a aproximação de Jaqueline e Rodrigão durante a festa boteco e perguntou para Jaqueline: "É verdade que o Rodrigão tem um cheiro especial?". 

Jaqueline respondeu que, apesar de todos estarem mais carentes, o que aconteceu entre ela e Rodrigão foi apenas uma brincadeira. Com aquele risinho irônico e maldoso que usa quando quer confundir e vexar quem não goza de sua simpatia, Bial soltou o veneno: "Você sabe que brincar e... Quer dizer a mesma coisa. No livro "Macunaíma”, de Mário de Andrade, as pessoas brincam quando querem... Ou seja, é um jeito bonitinho de falar de sexo". Na mente suja e preconceituosa do apresentador, certamente, moças negras e pobres são sinônimo de vadias.

Que deselegância! Bial sabe que Rodrigão, como Wesley, considera Jaqueline um zero à esquerda em uma eventual lista de escolhas. No BBB1, a modelo negra Vanessa viveu um romance com um homem branco. Mas, ele era francês e fascinado pela beleza e graça da mulher afro-descendente. Alguém já viu negros e negras vivendo romances do BBB? Juliana Alves era linda, mas os homens nem a notavam. Só foi convidada para ser capa da PlayBoy depois do seu sucesso nas novelas da Globo.  Coisa rara... Alguém já viu alguma negra saída do BBB fazer paparazzo ou PlayBoy?  

Talula tentou amenizar e disse para Jaque que Pedro Bial faz isso porque é muito brincalhão. Jaqueline não recuou e voltou a afirmar que não gostou do que ouviu. "Eu me senti mal quando ele citou o livro "Macunaíma" e disse que brincar e transar são a mesma coisa". 

Dianão dá show de depravação, lambe e beija mulheres e homens, faz strep em festa, corre sem soutien para a piscina, embriaga-se, diz barbaridades sexuais... O apresentador põe panos mornos da depravação da loura azeda. Maria faz questão de ser espetaculosa, despudorada, comportando-se como uma rameira destravada. O apresentador acha uma gracinha e até declara se sentir o pai da mimosinha ordinária... Paula pinta e borda, acompanhando sua mestra Dianão. O apresentador se derrete todo para “Pauliiiiiinha”. 

E, assim vai, na net, na produção e na vida cá fora, todo mundo fazendo de conta que não há racismo no Brasil, enquanto esbravejam contra Jaqueline, inventam motivos fúteis para diminuí-la e clamavam por sua indicação ao paredão! Até que enfim, ela foi indicada e vai ser eliminada com uma rejeição infame. A mesma onda de ódio e de negatividade invadiu a NetBBB como uma tsunami.  O linchamento moral da linda negra  está sendo aflitivo...  Transferem para ela todo o ódio e sede de vingança que recaíara sobre MauMau, pelo fato dela ter gostado dele e o apoiado na festa do sábado, quando este estava sofrendo as picuínhas de Maria. 

Como neste fétido BBB11, estou na contramão das escolhas gerais, embora não torça por  Jaqueline, gostaria que ela escapasse do paredão juntamente com Wesley.  Coragem Jaqueline...  Um mundo de oportunidades a espera fora da casa.  Uma mulher linda e cheia de brio. como você, jamais ficará no esquecimento.  



FICA, WESLEY!    VOCÊ É O CARA!!!  O HOMEM EDUCADO, GENTIL  E  BRIOSO QUE FALTAVA NA CASA DO BBB11. 

Postar um comentário