3 de dezembro de 2015

Violência contra a mulher é tema de novelas...




Em parceria com a ONU Mulheres, a Globo está promovendo, desde o último dia 11, uma campanha em que alerta sobre a violência contra a mulher. “Toda vez que uma mulher é agredida, a sociedade inteira é agredida também. Não se omita. Denuncie”,diz o vídeo que vem sendo divulgado nos intervalos da programação da  emissora.
Embora o tema não seja novo e já tenha aparecido em várias novelas da Globo nos últimos anos, a atual campanha institucional acabou tendo reflexo nas tramas em exibição no momento. As três novelas da emissora têm dado destaque a personagens masculinos que abusam e agridem mulheres.

Em “A Regra do Jogo”, Juca (Osvaldo Mil, no alto) agride, humilha e ofende sem parar Domingas (Maeve Jinkings), até ser expulso de casa. No capítulo desta segunda-feira (30), em uma cena dramática, moradores do Morro da Macaca impediram que ele mais uma vez agredisse a mulher e o expulsaram da favela aos gritos de “covarde”.

Em “Além do Tempo”, um personagem que não existia na primeira fase, Queiróz (Zécarlos Machado, ao lado) trata sua mulher, Gema (Louise Cardoso), como objeto, desprezando-a. E em “Totalmente Demais”, Dino (Paulo Rocha, acima) já tentou seduzir a enteada, Eliza (Marina Ruy Barbosa), e trata muito mal a mulher, Gilda (Leona Cavalli).
A emissora garante que não influenciou os autores das novelas a incluírem ou desenvolverem estes personagens e assegura que não há uma relação direta entre a campanha institucional e as tramas. “O tema da violência contra a mulher é super atual e contemporâneo, então é natural que a marca (Globo) e suas obras estejam e sejam sensíveis a ele”, diz em resposta a um questionamento do blog.
“As tramas já estavam previstas na sinopse, mas, como o assunto está na pauta da sociedade, elas acabam ampliando a repercussão do tema”, acrescenta a Globo, sugerindo que a boa acolhida pelo público levou a um desenvolvimento maior das histórias.
Em agosto, em entrevista à “Folha”, questionado se incluiria ações de responsabilidade social em “A Regra do Jogo”, João Emanuel Carneiro deu a entender que não gostaria de ser obrigado a fazer isso: “Se for da trama, pode ser que eu aborde algum tema polêmico. De fora para dentro ter que discutir determinados temas me parece programático, engessa a história”.
O autor da novela disse não gostar de merchan social em suas tramas: “Mas como quase todas as novelas já se dedicam tanto a fazer esse tipo de polêmica, as minhas podem se dedicar a falar de temas novos para as pessoas, dinâmicas, conflitos novos. Eu como espectador não me seduzo tanto por polêmicas programáticas”.
A Globo disse: “Em 2015, foram cerca de 970 cenas socioeducativas exibidas em nossas novelas. Também cedemos espaço para a veiculação de 70 campanhas próprias e de parceiros, que informam, sensibilizam e mobilizam para causas sociais.”

Autor: Mauício Stycer


Nenhum comentário :