29 de setembro de 2011

A escolha correta do sutiã...





Escolha inadequada do sutiã acarreta dores e problemas na coluna Retenção da drenagem linfática, inchaço, dor, além de transtornos de coluna são alguns dos problemas provocados. Mulheres devem priorizar o conforto De renda, com bojo, tomara que caia, com detalhes nas alças, de algodão... Modelos são muitos, mas o que muitas não levam em conta, no momento da compra, é o conforto que o sutiã deve oferecer, assim como a sustentação que a peça deve conferir às mamas.
De acordo com a vendedora de uma loja de lingeries, Roselene Silva Machado, o campeão de vendas é o sutiã de bojo. "Quem tem pouco seio diz que o bojo faz com que as mamas fiquem mais unidas, o que dá a sensação de que os seios são maiores", explica a vendedora. Ela destaca, ainda, que muitas mulheres que têm mamas grandes optam pelo modelo por acreditar que ele oferece conforto. Entretanto, segundo o cirurgião plástico, Marilho Dornelas, o ideal é que as mulheres não usem apenas um modelo durante longos períodos. "O uso contínuo do mesmo tipo de sutiã pode causar deformidades na mama, além de prejudicar, inclusive a coluna, caso a escolha não leve em conta o tipo de corpo da mulher."
Com relação aos modelos mais vendidos, ele lembra que as peças com bojo têm uma armação em ferro que fica na base do seio. "O uso prolongado, com a armação sempre no mesmo lugar, pode deformar a mama."     De acordo com o médico, o ideal é optar por peças confeccionadas em algodão. "Tecidos sintéticos impedem as trocas gasosas, ou seja, não deixam que a transpiração ocorra." Além disso, Dornelas chama atenção para peças apertadas, com rendas ou costuras em posições inadequadas. "O sutiã apertado pode causar retenção na drenagem linfática, o que, por sua vez, faz com que as mamas fiquem inchadas e doloridas." No caso de mulheres que têm seios volumosos, conforme o médico, a tendência é que a escolha seja feita por peças que levantam as mamas "Com isso, as alças acabam causando sulcos, ou seja, pequenas depressões, na pele do ombro."
O mais indicado, para mulheres com seios fartos, são os modelos nadador e com alças que cruzam nas costas, que garantem mais sustentação, forçando a coluna para trás. "Esses modelos oferecem mais segurança porque diminuem a tensão em determinados pontos da mama. As alças devem ser largas e a estrutura reforçada, a fim de distribuir melhor o peso dos seios." Em casos assim, pode haver, inclusive, prejuízo à postura, pois a sustentação não ocorre de forma correta e o peso pode ser direcionado à coluna da mulher.
Com relação aos modelos tomara que caia, o cirurgião plástico destaca que o uso é permitido, mas não de forma prolongada. "O tomara que caia apenas cobre a mama, não oferecendo nenhuma sustentação." Em outros modelos, é importante que os seios fiquem bem acomodados. Além disso, o sutiã não deve ficar muito alto nas costas da mulher, a fim de que a coluna não seja sobrecarregada.


Dormir usando sutiã?

Dornelas afirma que, ao contrário do que muita gente pensa, dormir usando sutiã é, sim, permitido. "Mas é fundamental que a peça seja confortável. Caso contrário, pode interferir no sono e, consequentemente, na qualidade de vida da mulher." O sutiã apertado, neste caso, pode reter edemas, sendo prejudicial à saúde.

Câncer de mama

Dornelas reforça que o uso de sutiãs não tem qualquer tipo de relação como aparecimento de câncer de mama. O boato surgiu após o lançamento do livro Dressed to kill: the link between breast cancer and bras" (Vestida para matar: a ligação entre câncer de mama sutiãs), de autoria do pesquisador americano Sydney Ross Singer e sua mulher, Soma Grismaijer. No material, o casal defende que o uso de sutiãs é capaz de causar câncer de mama devido ao fato da peça comprimir os seios, impedindo a drenagem linfática, o que provocaria, portanto, acúmulo de líquidos, causando o amolecimento dos tecidos. "Não há qualquer fundamento que comprove a relação entre o uso da peça e o surgimento de nódulos mamários", defende o médico.
____________________________________
Ana Stuart, psicóloga e terapeuta familiar

Nenhum comentário :