28 de dezembro de 2014

Perdoem-me, se a minha felicidade é insuportável!

3 COMENTÁRIOS

"Antigamente me preocupava quando os outros falavam mal de mim. Então fazia o que os outros queriam, e a minha consciência me censurava. Entretanto, apesar do meu esforço para ser bem educado, alguém sempre me difamava. Como agradeço a essas pessoas, que me ensinaram que a vida é apenas um cenário!
Desse momento em diante, atrevo-me a ser como sou.
A árvore anciã me ensinou que somos todos iguais.
Sou guerreira: a minha espada é o amor, o meu escudo é o humor, o meu espaço é a coerência, o meu texto é a liberdade.

Perdoem-me, se a minha felicidade é insuportável, mas não escolhi o bom senso comum. Prefiro a imaginação dos índios que tem embutida a inocência.
É possível que tenhamos que ser apenas humanos. Sem Amor nada tem sentido, sem Amor estamos perdidos, sem Amor corremos de novo o risco de estarmos caminhando de costas para a luz. Por esta razão é muito importante que apenas o Amor inspire as nossas ações.
Anseio que descubras a mensagem por detrás das palavras; não sou um sábio, sou apenas um ser apaixonado pela vida.
A melhor forma de despertar é deixando de questionar se nossas ações incomodam aqueles que dormem ao nosso lado.
A chegada não importa, o caminho e a meta são a mesma coisa.
Não precisamos correr para algum lugar, apenas dar cada passo com plena consciência.
Quando somos maiores que aquilo que fazemos, nada pode nos desequilibrar.
Porém, quando permitimos que as coisas sejam maiores do que nós, o nosso desequilíbrio está garantido.
É possível que sejamos apenas água fluindo: o caminho terá que ser feito por nós. Porém, não permitas que o leito escravize o rio, ou então, em vez de um caminho, terás um cárcere.
Amo a minha loucura que me vacina contra a estupidez.
Amo o amor que me imuniza contra a infelicidade que prolifera, infectando almas e atrofiando corações.
As pessoas estão tão acostumadas com a infelicidade, que a sensação de felicidade lhes parece estranha. As pessoas estão tão reprimidas, que a ternura espontânea as incomoda, e o amor lhes inspira desconfiança.

A vida é um cântico à beleza, uma chamada à tranparência.

Peço-lhes perdão, mas...DECLARO-ME VIVA!!!"

(Autor desconhecido)


12 de dezembro de 2014

As mulheres estão mais agressivas

1 COMENTÁRIOS

As mulheres estão mais agressivas? Para responder a essa pergunta, temos de conceituar agressividade, que pode tanto significar iniciativa quanto hostilidade. Iniciativa é, nesse caso, entendida como assertividade, disposição para ir atrás do desejo ou necessidade. Em certos momentos, os significados de “garra” e “briga” podem até se confundir, pois é necessário que se tenha iniciativa para brigar, assim como um espírito guerreiro para não se subjugar.
Nossa cultura tem uma dificuldade quase endêmica de lidar com assertividade, frequentemente confundida com comportamento agressivo, quase mal-educado. Dizer como queremos algo, não aceitar passivamente o que nos é dado, reclamar do que nos desagrada, questionar comportamentos, tudo isso não é muito bem-visto na cultura simpática do povo brasileiro, o que gera, muitas vezes, um comportamento passivo nas pessoas, cujo objetivo é agradar o outro.
Quando a agressividade tem como principal conotação a iniciativa, ela pode ser bem-aceita pela sociedade, pois implica em luta pelo que se deseja. A desistência de um comportamento típico de vítima, passivo, permite a melhora da própria qualidade de vida. Nesse caso, a mulher batalha para trazer para si o que quer. Na luta para poder participar do sufrágio universal, por exemplo, as mulheres tiveram de se impor, batalhar. Isso parecia agressivo, e os homens tentavam acusá-las de agressivas, mas não havia outro jeito de se fazer ouvir, de lutar pelo direito de participar da sociedade de forma integral, com direitos iguais.
A linha que separa a agressividade com ares de iniciativa daquela com características de hostilidade é, às vezes, muito tênue.

Entenda a diferença

Quando a agressividade vem acompanhada de comportamentos de hostilidade, quando então o diálogo é substituído por gritos, tapas e xingamentos, há claros sinais de que algo não vai bem. Muitos podem ser os motivos para que a mulher fique mais agressiva de forma negativa, e citarei alguns a seguir.
Depressão, baixa autoestima e insegurança são alguns dos problemas que podem estar presentes nesse caso. Aliás, aumento da irritabilidade é um dos sintomas avaliados pelos psiquiatras para diagnosticar depressão.
A alteração do sono, por exemplo, pode aumentar a irritabilidade. Com tantas atividades ao longo das 24 horas do dia dorme-se menos que o necessário, o que torna a pessoa mais impaciente, mais agressiva. Sacrificar o sono para atender a todas as demandas do trabalho e da família acaba por gerar comportamentos agressivos, mesmo quando não é esse o desejo da mulher.
Falta de reconhecimento é outro item da lista de eventuais motivos para o aumento da agressividade da mulher. Sem saber o que está conseguindo realizar com sucesso, sem reconhecimento positivo por sua luta diária, sem o agradecimento de ninguém, como se tudo o que ela faz fosse nada mais do que sua obrigação, não há como sustentar o bem-estar. A mulher fica mais zangada e, consequentemente, mais agressiva.
Baixa autoestima pode aumentar a agressividade. É, então, uma forma de se fazer ouvir, de tentar expressar sua existência. Sentir-se sem valor, incompetente, sentir-se feia ou gorda e não saber se está correspondendo às expectativas da sociedade, tudo isso pode tornar a mulher defensiva. E um jeito comum de se defender é atacar.
Ainda podemos incluir nos eventuais motivos para o aumento da agressividade da mulher a falta de lazer, as alterações do ciclo de vigília e sono, a má alimentação por conta de muitas dietas e as relações sociais efêmeras que não criam sensação de segurança e proteção, tão necessárias para a tranquilidade emocional.
Se houve de fato um aumento na agressividade feminina eu não sei, parece que sim. Mas é certo que o estresse do cotidiano a que a maioria das mulheres está sujeita atualmente pode favorecer o incremento de comportamentos agressivos.
Muitas vezes a agressividade é usada como uma defesa
Por medo de não ser ouvida, a mulher pode acabar gritando mais alto do que o necessário, aparentando uma agressividade que é, na verdade, pautada no medo e na insegurança, e não é de todo assertiva.
Em resumo, lutar para conseguir o que se quer é muito bom. E, visto que cada vez mais mulheres buscam maior espaço na sociedade, o importante é elaborar a forma de ser agressiva, com tranquilidade, e não pela força e pelo grito. Dá para ser assertiva sem ser agressiva.

Por Dra. Vivian Behar, psicóloga. Atualmente trabalha no CESAME - Centro de Saúde Mental Moreno