28 de março de 2013

Desabafo de uma tarde de verão...

0 COMENTÁRIOS

RIO - Aos 83 anos, Fernanda Montenegro emenda um trabalho atrás do outro, de Norte a Sul do país, mas não se queixa de cansaço.
— Eu me poupo desse charme de falar “não quero mais, daqui a pouco vou parar”. No máximo é um desabafo de uma tarde de verão. Fisicamente você pode até dizer “puxa, mais uma vez sair por aí afora”, mas o espírito te leva com muita alegria.
Ela não celebra nem lamenta a velhice. Como diz, nem idealiza nem deprecia a idade. Por isso, evita os extremos, seja eufemismos como “melhor idade”, seja palavras como “velho”, contaminadas pelo preconceito.
— Melhor idade? Imagina. Você vai perdendo a audição, a visão, o paladar, sua pele vai secando. Mas é uma realidade, que vai piorar se você começar a achar que é uma desgraça. É da natureza e ponto, vamos tocar a vida.
Por outro lado, levou um susto outro dia quando alguém, falando a seu respeito, disse: “Mas é uma octogenária.”
— Achei a palavra horrenda. É verdade que sou, mas que palavra brutal.
Ela acredita que o segredo para encarar o envelhecimento é encontrar um canal, “algo que alimente o ser humano”. No caso dela, são dois canais:
— O primeiro é uma predisposição que tenho para a vida. O outro é ter uma vocação e realizá-la, porque ela é inarredável. Nos encontros com jovens atores, sempre digo: “Desistam. Agora, se você não conseguir se levantar mais da cama, comer e respirar, aí volte e vá fazer essa profissão.” Porque se você ficar à morte só pode voltar para viver. Mas aguente as consequências, porque é uma profissão marginal e marginalizada, e vai ser sempre. No caso do teatro, seu trabalho só existe enquanto alguém que viu você fazer estiver vivo.
Fernanda está com projetos de cinema, teatro e TV em 2013. Um ano atípico? Não.
— Sempre tenho pelo menos duas dessas modalidades funcionando.
Mas, desta vez, há uma novidade. Ela estreia na direção com a peça “Nelson Rodrigues, por ele mesmo — Um depoimento”, que entra em cartaz em meados do ano. A ideia veio quando leu o livro de Sonia Rodrigues, filha de Nelson, que compilou documentos, crônicas, entrevistas e textos do pai.
— Achei fantástico. Ano passado, no centenário, todas as suas peças foram montadas, mas quase ninguém falou do Nelson, dessa figura que no fundo é a sua grande criação.
Ela ensaia há um mês com Otávio Augusto, que não virá caracterizado.
— Ele não vai botar barriga, terno azul marinho, sapato marrom, meia branca, gravata bordô, peruca. Não vai falar de boca fechada, lentamente. É justamente para ficar na essência de Nelson. A peça é um depoimento para uma plateia, é um falar um pensamento. Minha finalidade ao tocar nesse material é ser absolutamente fiel, respeitá-lo a ponto de não sair dele. Não tem dramaturgia, não tem uma fala que não seja do texto dele — diz ela, que organizou tudo em blocos, como as redações de jornal, a política, o amor, sua vida.
No cinema, Fernanda filmou ano passado em Pelotas, no Rio Grande do Sul, “O tempo e o vento”, com direção de Jayme Monjardim, que estreia em outubro. Rodou no início deste ano “Boa sorte”, de Carolina Jabor, ainda sem previsão de lançamento. E, no fim de 2013, entra no set de “Do fundo do lago escuro”, de Domingos Oliveira. Na TV, fez em dezembro a dona Picucha no especial “Doce de mãe” (cotado para virar seriado em 2014) e estará em “Saramandaia”, que começa a ser gravada em abril e vai ao ar em junho.
Apesar de transitar com igual desenvoltura por cinema, teatro e TV, ela deixa clara uma diferença de tratamento.
— Eu me ofereço ao teatro, vou em busca dele, fustigo-o. Bato na porta e peço para entrar. Nos outros meios de arte, eu sou solicitada. Não saio me oferecendo para o cinema e para a TV.
O que não é tão comum hoje em dia.
— Atualmente, pelos cursos todos que eu vejo, 80% dos alunos estão visando o mundo eletrônico.
Ela fala de como é “muito pesaroso” ver as mortes em sua geração, aquela entre 80 e 90 anos, formada por atores que se “forjaram buscando personagens”.
— De uns poucos anos para cá, morreram Paulo Autran, Sérgio Viotti, Gianfrancesco Guarnieri, Sérgio Britto, Italo Rossi, Renato Consorte, Chico Anysio, Walmor Chagas, Fernando (Torres, seu marido). É uma limpeza assustadora. São peças que não têm reposição. Fernando foi um louco por teatro, uma vida de entrega, dirigindo, atuando e produzindo.
Foram 60 anos ao lado de Fernando, que morreu em 2008. Ela não quis se mudar do apartamento onde moraram juntos nos últimos 12 anos, em Ipanema.
— A casa tem muito dele. Poltrona, livros, há toda uma memória aqui dentro que me acompanha com muita emoção. Tem os retratos dele. Converso com Fernando. Mas não sou uma velhinha maluca — diz, com bom humor.
São coisas como “poxa, mas está difícil o dia hoje”, “hoje foi pesado”, olhando para as fotos. Sair do apartamento que acumula tantas lembranças não vai ser fácil, mas faz parte dos planos.
— Acho que uma hora quero morar perto da Nanda (sua filha, a atrizFernanda Torres), na Lagoa. Para estar junto dela e ela junto de mim. E também pelo Cláudio (seu filho, o diretor Cláudio Torres, que mora no Humaitá). A família é muito interligada, e uma hora você vai precisar de um suporte. Você tem que se organizar para isso, sem morbidez, mas com objetividade.
Fernanda Montenegro foi ver “Amor”, do austríaco Michael Haneke, Oscar de melhor filme estrangeiro. Saiu impactada com a atuação de Jean-Louis Trintignant, de 81 anos, e Emmanuele Riva, de 85 anos, que foi indicada ao prêmio de melhor atriz — caso também de Fernanda, em 1999, por “Central do Brasil”.

LEIA MAIS, clicando na frase abaixo

13 de março de 2013

Nos tempos da brilhantina...

4 COMENTÁRIOS


Na minha inarredável crença no Carpe Diem horaciano e na sabedoria que reside na atitude de valorizarmos o tempo presente, evitando saudosismos desnecessários ou devaneios acerca de um futuro insondável, habituei-me a não me prender a recordações, a não cultivar saudades que me deixariam com aquele incômodo sentimento de perda a escurecer-me por dentro. Mas hoje, tive uma recaída e fiz uma longa viagem de volta aos meus outroras! Peço desculpas a quem não aprecia textos longos e talvez pobre de interesse, pois que fala de uma vidinha um tanto sem brilho.
Até algum tempo atrás, quando observava a vida das moças nos dias atuais, a liberdade ilimitada que têm, a forma como se comportam, como pensam e falam, vinham-me à mente algumas lembranças da época da minha juventude. A comparação era inevitável, pois era tudo tão espantosamente diferente! Mas não sei ao certo se era melhor ou pior. Na época, achávamos natural, não tínhamos noção de que poderia ser diferente.


Hoje, já tenho o distanciamento necessário para estabelecer comparações e perceber o quanto foi reprimida a vidinha que nos permitiu viver a sociedade severa dos anos cinqüenta. Tanto o meio social quanto os nossos pais eram repressores e vigilantes, cerceavam a nossa liberdade e nos impunham uma série de limites que não ousávamos transgredir. Namorava-se na calçada de frente a casa ou na varanda, sair sozinha com o namorado, nem pensar! Beijar na boca... só se fosse beijo roubado, escapando aos vigilantes pares de olhos que não nos perdiam de vista. Casávamos virgens, depois de um longo namoro e noivado (ainda era costume o rapaz pedir a mão da moça em casamento ao seu pai).
Mas, haviam coisas maravilhosas e inesquecíveis, como as serenatas que me acordavam na madrugada com românticas canções e acordes de violão. Não me casei com o dono da voz. Não que nos faltassem amor e vontade! Mas esta já é outra história de interferência familiar bem típica da época... melhor esquecer!


Quando explodiu o Rock in roll e Elvis Presley tornou-se moda, mania e paixão veio junto a interdição: moça decente não podia dançar o frenético e obsceno ritmo norte-americano. Seria um escândalo! A garota ficaria “falada”! Quem iria querê-la para esposa?! Foi um ai, Jesus! Fãs incondicionais de Elvis, eu e meu irmão não resistimos à tentação e demos uma fugidinha até um clubinho que havia perto da nossa casa, para balançar os esqueletos naquela consumição, com uma turma do colégio. Nem gosto de lembrar o pandemônio que fez a minha mãe, quando retornamos. Só comigo, é claro! Meu irmão “era homem”, podia tudo! 

LEIA MAIS, clicando na frase abaixo.